Ouça a Independente AM ao vivo!
 
 

 

12/01/2011 - Conhece o Jonas? Ele foi campeão no Olímpia !!!

Na foto o time do Orlandia- Jonas, que jogava como meio-campista e ponta-esquerda, defendeu o Orlândia em 1964/65 e 1967. Em pé, da esquerda para a direita: Fábio, Macalé, Bota, Diva, Julião e Marcos; agachados, na mesma ordem: Laerte, Orlando, Percival, Joaquim e Jonas, que fez muitos gols de falta na carreira



Versátil como o são-paulino Hernanes e disciplinado taticamente como Zagallo, ponta-esquerda campeão com a Seleção Brasileira nas Copas de 1958 e 1962, o talentoso Jonas foi um dos destaques do Olímpia, que conquistou o título da Série Cafeeira do Campeonato Paulista da Segunda Divisão (atual Série A-3) de 1961. Era um jogador moderno para a época, que tinha facilidade de chutar com os dois pés e executava múltiplas funções dentro de campo. A Segundona reuniu 39 equipes divididas em cinco grupos regionalizados. Na Série Cafeeira estavam Olímpia, Rio Preto, Dracena, Mirassol, Linense e Nevense. Naquela época era muito difícil ganhar fora de casa. Não pela competência dos mandantes, mas em razão de a juizada operar os visitantes sem anestesia. Uma das cirurgias aconteceu no estádio Victor Brito Bastos, em Rio Preto, no dia 16 de julho, contra o Glorioso. Melhor em campo, o Olímpia abriu o placar com um gol do ponta-direita Índio, aos 25 minutos do segundo tempo. Não demorou para o árbitro Antônio Musitano dar uma mãozinha ao Rio Preto. Ele marcou pênalti inexistente sobre o centroavante Cide Alvarenga. Para completar o serviço expulsou Serrano, Salata e Joel, todos do Olímpia, e Milton, do Verdão. Cide cobrou o pênalti e empatou o jogo. Mesmo com oito jogadores contra 10, o Olímpia segurou a igualdade no marcador. Inconformado, Oswaldo de Lima Borges, presidente do Galo Azul, protestou na federação e ameaçou tirar o time do campeonato caso Musitano fosse escalado em outras partidas de sua agremiação. O resultado, entretanto, também foi ruim para o Rio Preto e provocou uma áspera discussão entre o técnico Galinhaço e o presidente esmeraldino Geraldo Fortes. Como sempre, a corda arrebentou do lado mais fraco e Galinhaço foi demitido. Serafim de Andrade assumiu o comando interino e dias depois a diretoria contratou o treinador Miranda.

Veio o segundo turno e o time olimpiense deu o troco no Rio Preto, graças a uma atuação memorável do meia-esquerda Jonas, que também atuava como ponteiro canhoto. Ele marcou um dos gols e criou as jogadas que resultaram em tentos de Destro e Bira na goleada de 4 a 0. Apesar das dificuldades, o Galo Azul foi a equipe que manteve a melhor regularidade dentro do grupo e obteve resultados expressivos. O único deslize ocorreu na vexatória derrota por 5 a 0 para o Mirassol, fora de casa. Na penúltima rodada, Jonas voltou a balançar as redes adversárias nos 3 a 1 sobre o Dracena, no dia 24 de setembro, no estádio Tereza Breda. O Olímpia terminou na liderança com 7 pontos perdidos, seguido pelo Mirassol, com 8, Rio Preto 10, Nevense 11, Dracena e Linense 12. Pelo regulamento os dois primeiros se classificavam à fase final. Na Série Industrial classificaram-se o Estrela de Piquete e o Cerâmica de São Caetano do Sul. Na Açucareira, os melhores foram Estrada Sorocabana e Ituano. Inter de Limeira e Bandeirantes de São Carlos avançaram pela Série Algodoeira e Botucatuense e Ourinhense obtiveram as vagas na Série Pecuária.

O Olímpia começou o grupo Waldemar Alves da Costa da fase decisiva perdendo de 2 a 1 para o Mirassol, fora de casa, no dia 15 de outubro, mas se reabilitou ao derrotar a Botucatuense por 3 a 1. No entanto, a equipe celeste perdeu os pontos no "tapetão" em razão de ter escalado o ponta-esquerda Joel, que estava suspenso. A decisão do TJD desanimou o Galo Azul, que alternou bons e maus momentos na competição. Perdeu da Usina São João por 4 a 2, goleou o Ourinhense por 5 a 0, perdeu da Botucatuense e Usina, ambos por 1 a 0, goleou o Mirassol por 4 a 0 e foi goleado pelo Ourinhense por 4 a 1, terminando na lanterna do grupo com 12 pontos perdidos. Com 5 pontos perdidos, a Usina São João ficou em primeiro. O Mirassol foi o segundo, com 6, Botucatuense 8 e Ourinhense 9. A Estrada Sorocabana, com 4 pontos perdidos, conquistou o título do grupo João Mendonça Falcão, seguida pela Inter de Limeira, com 7, Cerâmica 9, Estrela e Bandeirantes, 10. Na decisão, a equipe de Sorocaba venceu a Usina e subiu para a Primeira Divisão (atual A-2).

Defende Botafogo e Ponte

Nascido no dia 2 de fevereiro de 1942, em Aramina, cidade localizada entre Igarapava e Ituverava e a 222 quilômetros de Rio Preto, Jonas Cagliari começou a carreira em 1956 no time infantil do Botafogo, incentivado por seu tio, Atílio. "Fui estudar em Ribeirão Preto, meu tio achou que eu levava jeito para o futebol e me levou para o Botafogo", diz. Conciliava treinos e jogos com os estudos. Vestiu a camisa do time principal do tricolor ribeirão-pretano a partir de 1960, promovido pelos técnicos Floreal Garro e José Agnelli. "Disputei alguns amistosos contra Palmeiras, Portuguesa Santista, XV de Piracicaba e outras equipes", recorda. Jonas também enfrentou o Santos de Pelé, no dia 20 de novembro de 1960, pelo Paulistão. No final, derrota botafoguense por 4 a 2, no estádio Luiz Pereira, em Ribeirão Preto. Exímio cobrador de faltas, mas com poucas chances entre os profissionais, acabou emprestado ao Olímpia, aos 19 anos de idade. Logo na primeira temporada foi campeão da Série Cafeeira da Segundona. Ao retornar do empréstimo jogou pelo Botafogo no empate de 2 a 2 com o Corinthians, em amistoso realizado no dia 21 de março de 1962. Depois, voltou ao Olímpia novamente onde ficou mais dois anos. Ainda disputou a Segundona pelo Orlândia (1964/65) e a Primeirona (A-2) pela Ponte Preta. Encerrou a carreira no final de 1967 no Orlândia. "A miopia atacou e me forçou a parar, aos 25 anos de idade", lamenta. Jonas, então, foi trabalhar com o pai, João "Nine", no armazém da família. "Vendíamos de agulha a elefante", brinca. Viúvo de Maria Ângela, pai de Jonas e Michel Jorge e avô de Vinícius, ele curte a aposentadoria desde 1998 em sua terra natal, a pequena Aramina, de 5 mil habitantes.




Busca de notícias      










Todos direitos reservados 2022 - Desenvolvido pela Williarts Internet