Ouça a Independente AM ao vivo!
 
 

 

21/12/2010 - Voleibol: Por onde andam os craques da Geração de Prata?

Agosto de 1984. Chegou a Olimpíada de Los Angeles. Pela primeira vez, a seleção brasileira masculina iria para um torneio mundial como favorita, ajudada pelo bicampeonato pan-americano em Caracas-1983. Para facilitar, a União Soviética não participou dos Jogos em resposta ao boicote dos Estados Unidos aos Jogos de Moscou. "Nós éramos totalmente conhecidos. Idolatravam a gente e confiavam naquele time", afirma Montanaro. Foram mais de 400 horas de treinos e o time estava concentrado desde janeiro. Eles estavam prontos para lutar pelo ouro.

Na fase classificatória, vitórias sobre Argentina e Túnisia. Contra a Coreia do Sul, na partida que valeria vaga na semifinal, derrota por 3 sets a 1. No jogo seguinte, 3 a 0 nos Estados Unidos e o lugar na semi. "Viemos aqui buscar o ouro e só vamos sair como ele no peito", disse Amauri depois da classificação. Na semifinal, Brasil venceu a Itália por 3 a 1 e encararia de novo os donos da casa na decisão.

Na temporada haviam sido nove vitórias brasileiras sobre os norte-americanos. Mas, na final olímpica, os Estados Unidos faturam o jogo com um 3 a 0, com parciais de 15/06, 15/06 e 15/07. "Perdemos para nós mesmos. A gente tinha condições técnicas para vencer, mas não tinha cabeça", analisa Amauri. "Foi muita vaidade dentro da quadra. Um quis aparece mais que o outro. Foi a medalha de ouro mais certa que a gente deixou escapar", explica o ex-central. A torcida também sentiu a decepção da medalha de prata. Dessa vez, não teve nenhuma festa no desembarque do time.

Com a sensação de ser eterno vice, como disse o levantador William ao jornal Gazeta Esportiva depois da derrota em Los Angeles, a seleção passou por muitas crises, brigas internas e se separou no final de uma era. Mesmo com a ausência de um grande título, com os vices no Mundial e na Olimpíada, aquele time entrou para a história do esporte nacional. Além disso, abriu caminho para o desenvolvimento de uma nova geração, com mais estrutura, que seria campeã olímpica em Barcelona.



Aonde estão os jogadores da geração de prata:

Montanaro: gerente do time de vôlei de São Bernardo do Campo Brasil Vôlei Clube

William: técnico do time feminino do Vôlei Futuro, de Araçatuba, interior de São Paulo

Renan: gerente de esportes do time Cimed, de Florianópolis

Xandó: supervisor de esportes da Secretaria Municipal de São Paulo

Bernardinho: técnico da seleção masculina brasileira

Marcus Vinícius: superintendente executivo de esportes do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) e foi chefe da delegação nacional em jogos como o Pan-Americano e a Olimpíada de Pequim

Amauri: presidente da Associação Brasileira de Voleibol Paraolímpico e técnico do time de vôlei sentado na Olimpíada de Pequim

Bernard: seguiu carreira política e é presidente da Comissão de Atletas do COB

Maracanã: trabalha no projeto de inclusão social da Federação Paulista de Futebol

Fernandão: é professor do curso de Direito Desportivo da UniverCidade, do Rio de Janeiro, e já foi comentarista e colunista de vôlei e assessor de Bernard na Assembleia Legislativa

Rui Campos: gerente de esportes do departamento nacional do Sesi

Badá: único que deixou o esporte e foi cuidar de uma pousada


Busca de notícias      








Todos direitos reservados 2022 - Desenvolvido pela Williarts Internet