Ouça a Independente AM ao vivo!
 
 

 

09/01/2009 - Tunel do tempo: Brasileirão de 1986, a final mais emocionante da história

O Campeonato de 1986 teve início em 30 de agostoe término em 25 de fevereiro de 1987. No total foram realizados 538 jogos, com 48 clubes participantes. Foram marcados 1.125 gols, com média de 2,09 por jogo. A média de público foi de 13.423 pagantes por partida.

Decisão
Na conquista de seu segundo Campeonato Brasileiro, em 1986, o São Paulo teve no Guarani um adversário forte, com jogadores que, apesar de jovens, já mostravam qualidade e disposição. A equipe de Campinas tinha a melhor campanha da competição. Das 34 partidas que disputou, venceu 21, empatou 11 e perdeu apenas em duas ocasiões. Enquanto isso, o Tricolor teve 17 vitórias e 13 empates, perdendo quatro jogos.

Enquanto o Bugre tentava repetir o êxito de 1978, quando foi campeão brasileiro diante do Palmeiras, o São Paulo tentava seu segundo título nacional. Careca, o jovem artilheiro da conquista do Guarani, usava naquele instante toda a sua experiência na equipe do Morumbi. No entanto, Evair, aos 22 anos, já despontava como o grande goleador e era a esperança dos torcedores que queriam ver bicampeão o time do Brinco de Ouro.

A primeira partida da final aconteceu num Morumbi lotado às 21h45 do dia 22 de fevereiro de 1987. Mais de 80 mil pessoas queriam presenciar um dos dois times conseguir a vantagem para o segundo jogo. O São Paulo começou o primeiro tempo com sua defesa sem deixar espaços e com um meio-campo que tocava a bola com velocidade. Nos 15 minutos iniciais, o Tricolor teve um enorme volume de jogo, pressionando de forma impiedosa. Passado esse instante da partida, o Guarani começou a aproveitar mais os erros de passes do São Paulo, equilibrando mais o jogo.

Os gols só acabaram saindo no segundo tempo. O São Paulo tinha suas jogadas de ataque prejudicadas, pois Zé Teodoro não podia apoiar pela direita, tendo que marcar o centroavante João Paulo que se posicionava bem na entrada da área. Talvez por isso, aos 15 minutos, Evair tenha aberto o placar para o Guarani. Chiquinho, depois de uma subida pela lateral-esquerda, foi ao fundo cruzar para Evair marcar o seu 24º gol na competição. Contudo, enganou-se aquele que achou que o São Paulo sairia em desvantagem jogando em seu estádio. Quatro minutos depois, Sidnei tenta o chute e a bola bate na trave esquerda. Careca, com oportunismo, aproveita a sobra para empatar a partida por 1 a 1 e a artilharia com Evair.

A igualdade no placar deixava a decisão para a última partida, no Brinco de Ouro, Campinas. Desta vez, cerca de 37 mil pagantes conheceriam de perto o 16º campeão brasileiro. No primeiro tempo, poucas emoções. Nenhum dos dois times queria ir para o intervalo com uma desvantagem no placar. Mas ao contrário do que queriam e do que houvera no primeiro jogo, o placar foi aberto aos dois minutos do primeiro tempo. Depois de uma cobrança de falta pelo lado esquerdo da defesa do São Paulo, Zé Mario recebe a bola nas costas de Fonseca e vai até a linha de fundo. De lá, cruza para dentro da área Tricolor e Nelsinho acaba marcando contra, à direita de Gilmar. Mais uma vez o São Paulo teria que se esforçar para inverter a situação em pouco tempo. O esforço deu certo. A bola que iria para as mãos do goleiro Sérgio Neri após a cobrança de escanteio de Pita, é desviada por Ricardo que também acaba marcando contra. No segundo tempo o Guarani foi melhor que o São Paulo. A equipe cadenciou melhor suas jogadas e aparentava ter o controle da situação. Porém, foi o São Paulo que levou mais perigo à área adversária, tanto que Müller chegou a chutar uma bola na trave, perdendo assim uma ótima oportunidade para o Tricolor. Já o Bugre foi prejudicado pelo árbitro José de Assis Aragão que não deu um pênalti cometido por Vágner em João Paulo. Nos quinze minutos finais, as duas equipes preferiram se precaver a correr o risco de tomar um novo gol, diminuindo o ritmo da partida que acabou indo para a prorrogação.

O São Paulo, mais uma vez mostrando a eficiência da mescla entre jogadores mais velhos com boas revelações, virou o placar já no primeiro minuto da prorrogação. O jovem Müller bateu falta para o gol do experiente Pita. O empate do Guarani aos nove minutos, após uma cobrança de escanteio de Boiadeiro. João Paulo se antecipou à Bernardo e marcou de cabeça. O centroavante do Bugre aproveitou a desatenção da defesa Tricolor e continuava subindo. No segundo tempo, João Paulo fez uma grande jogada. Passou por Vágner e mesmo sofrendo falta de Fonseca, fez um gol que praticamente assegurava o título do Guarani. Contudo, no último minuto da prorrogação, Vágner lançou Pita que tocou para Careca que entrava pela esquerda, deixando a prorrogação empatada por 3 a 3. O atacante não perdoou e chegou à artilharia com seu 25º gol no campeonato, levando ao mesmo tempo a decisão do título para os pênaltis.
Com quatro a três nas penalidades o São Paulo comandado pelo técnico Pepe ergueu a taça de campeão brasileiro pela segunda vez. Certamente, além de Careca e Evair, o Brasileirão daquele ano revelou grandes valores. Só entre os finalistas, estavam Silas e Müller, pelo São Paulo, e João Paulo e Boiadeiro, pelo Guarani. Campanha do Campeão


34 jogos

47 pontos ganhos

17 vitórias

13 empates

4 derrotas
62 gols pró
22 gols contra


Classificação
1 São Paulo - 47 pts.
2 Guarani - 53
3 Atlético-MG - 45
4 América-RJ - 34
5 Bahia - 40
6 Fluminense - 38
7 Corinthians - 38
8 Cruzeiro - 36
9 Palmeiras - 34
10 Portuguesa - 34
11 Flamengo - 32
12 Joinville - 29
13 Vasco - 28
14 Grêmio - 28
15 Criciúma - 21
16 Internacional-SP - 20
17 Internacional-RS - 32
18 Atlético-PR - 29
19 Santos - 29
20 Rio Branco-ES - 27
21 Bangu - 26
22 Ponte Preta - 25
23 Goiás - 25
24 Ceará - 24
25 CSA - 24
26 Santa Cruz - 24
27 Sport Recife - 23
28 Atlético-GO - 23
29 Vitória - 23
30 Náutico - 22
31 Botafogo-RJ - 22
32 Nacional - 10
33 Comercial-MS - 19
34 Sobradinho - 16
35 Treze - 12
36 Central - 10
37 Sergipe - 8
38 Operário-MS - 7
39 Botafogo-PB - 7
40 Fortaleza - 6
41 Sampaio Correa - 6
42 Remo - 6
43 Tuna Luso - 5
44 Coritiba - 5
45 Alecrim - 5
46 Paysandu - 3
47 Piauí - 3
48 Operário-MT - 3


Ficha técnica das finais.

SÃO PAULO 1 x 1 GUARANI
(1º jogo)
Data - 22 fevereiro de 1987
Estádio - Morumbi

São Paulo - Gilmar – Zé Teodoro, Vágner, Dario Pereyra, Nnesinho – Bernardo, Silas, Pita – Muller, Careca e Sidnei (Pianelli). Técnico: Pepe

Guarani - Sérgio Neri – Marco Antônio, Ricardo Rocha, Fernando, Zé Mario – Tosin, Tite (Nei), Boiadeiro – Chiquinho Carioca (Catatau), Evair e João Paulo. Técnico: Carlos Gainete.

gol - Amarildo e Bebeto

árbitro - Ulisses Tavares da Silva


GUARANI 3 (3) x 3 (4) SÃO PAULO
(2º jogo)

Data - 25 fevereiro de 1987
Estádio - Brinco de Ouro

Guarani - Sérgio Neri – Marco Antônio, Valdir Carioca, Ricardo Rocha, Zé Mario – Tosin, Tite (Vágner), Boiadeiro – Catatau (Chiquinho Carioca), Evair e João Paulo. Técnico: Carlos Gainete.

São Paulo - Gilmar – Fonseca, Wágner Basílio, Dario Pereyra, Nelsinho – Bernardo, Pita, Silas (Manu) – Muller, Careca e Sidnei (Rômulo). Técnico: Pepe

gol - Nelsinho (contra), Boiadeiro, João Paulo, Berbardo, Pita e Careca

árbitro - José de Assis Aragão


Busca de notícias      








Todos direitos reservados 2019 - Desenvolvido pela Williarts Internet