Ouça a Independente AM ao vivo!
 
 

 

24/08/2009 - Meu jogo inesquecivel: Invasão corintiana no Maracanã

Tem jogos que vem na memória, assim que alguém fala em emoção. Pra mim, entre tantos jogos, o da semi-final do brasileiro de 1976, é um deles. Saímos na madrugada de sexta-feira para sábado, em 2 carros pra ir pro rio assistir o jogo entre Corinthians e fluminense. Chegamos no rio com o sol raiando e, mesmo sem dormir, fomos dar um rolê pela cidade maravilhosa. Por todas as ruas que passavamos, haviam carros com bandeiras do Timão. Lá pelas tantas, com a carreata já bem grande, avistamos um ônibus vermelho e preto com o distintivo do flamengo. Já íamos começar uma vaia, quando notamos numa das janelas, o Ruço, na época meio-campo do Timão, percebemos então, que o ônibus do flamengo tinha ido pegar nossos craques no aeroporto para levá-los até o hotel. Ai então é que foi festa mesmo, mais de cem carros com bandeiras alvi-negras, seguindo aquele ônibus até o hotel Nacional, numa festa indescritível, e uma demostração jamais vista, de amor por um time. Chegando no hotel, descemos dos carros e cercamos o ônibus cantando o hino do Corinthians, pegando autógrafos e incentivando nossos jogadores para a batalha. Lembro bem que, lá dentro do hotel, algum fiel vestiu a camisa do Timão numa estátua que tinha junto à piscina, e o delírio foi geral.

No sábado à noite, a festa foi no Barril 1800, um bar em ipanema. A torcida fechou a avenida, parou o trânsito, e eu me senti em plena Av. Paulista, haviam milhares de Corinthianos, e era só sábado à noite.

Chegou então o grande dia. Domingo de sol, desde cedo todo mundo nervoso, a expectativa era muito grande. Quando entrei no estádio, não acreditei, o Maracanã estava preto e branco, milhares de bandeiras alvi-negras, provando ser aquele estádio, o único do Brasil para a grandeza da Fiel, pois, nossa torcida merece um estádio daquele tamanho. O Timão entra em campo, a adrenalina vai a milhão, somos a maioria, 70.000 Corinthianos no maior estádio do mundo, a 400 km. de São Paulo e, cada um alí sentiu que participava de um momento histórico, desses de contar pros filhos, pros netos, pra ficar pra sempre na memória. Depois da festa, começa o jogo, e a realidade se impõe. O flu tinha uma verdadeira seleção, e entre eles Rivelino, o jogador que nasceu no Corinthians, foi tri-campeão mundial pelo Brasil, e era o maior orgulho da Fiel, estava agora contra nós. Nosso time era modesto mas valente, guerreiro. Tobias, Ruço, Zé Maria, Basílio, Wladimir e outros, pareciam fadados a perder o jogo para aquele time de craques, que parecia imbatível. Com 20 minutos de jogo, 1x0 pros caras, e a torcida deles pedia uma goleada. Mas, Deus, que é Corinthiano, deu uma mãozinha, pois a chuva que caía favorecia mais o nosso time, que entrava em todas as divididas como se fosse a última da vida. Escanteio pela esquerda, Ruço dá uma puxeta, e mete a bola dentro do gol, delírio total da Fiel, nossa torcida mandava no Maraca, e cantava sem parar.

O jogo seguiu tenso e disputado até o final, e acabou mesmo no 1x1. Então, a vaga para a final do brasileiro de 76, seria decidida nos pênaltis. A tensão era total nas arquibancadas, tinha gente chorando, rezando, com dor de barriga, etc.. O mesmo pensamento em todos, depois dessa invasão histórica não merecíamos perder nos pênaltis, seria injusto, e talvez só por isso, Tobias resolveu fechar o gol, catou 3 cobranças, e vencemos. Aí, o choro era de alegria, todos se abraçavam, a Gaviões abriu uma enorme faixa que dizia, "Chora Rivelino". A Fiel não arredava pé das arquibancadas, debaixo da abençoada chuva, que nos ajudou a vencer aquele time quase imbátivel, que podia vencer qualquer time, mas não era capaz de resistir aquela força que emanava das arquibancadas, ficou provado então que, todo time tem uma torcida, nós somos uma torcida que tem um time.

Na volta, viemos por uma Av. Paulista de 400 km., uma carreata só, todos cantando, gritando, comemorando aquele dia histórico. Graças a Deus, somos Corinthianos, maloqueiros e sofredores.

Jogo: CORINTHIANS 1 X 1 fluminense - 05/12/76 - Maracanã - Público: 146.043 pagantes.

Gols: pintinho 18' e RUÇO 2' do 1.o tempo.

Pênaltis: CORINTHIANS 4 x 1 flu. Fizeram os pênaltis pro TIMÃO: Neca, Ruço, Moisés e Zé Maria.



Busca de notícias      








Todos direitos reservados 2019 - Desenvolvido pela Williarts Internet